Saccharomyces cerevisiae

A levedura Saccharomyces cerevisiae é um microrganismo aeróbio facultativo, isto é, que tem a habilidade de se ajustar metabolicamente, tanto em condições de aerobiose como de anaerobiose.

Nesse processo aeróbio facultativo, os produtos finais do metabolismo do açúcar irão depender das condições ambientais em que a levedura se encontra. Assim, em aerobiose, o açúcar é transformado em biomassa, CO2 e água, e, em anaerobiose, a maior parte é convertida em etanol e CO2, processo denominado de fermentação alcoólica.

As leveduras S. cerevisiae são elípticas, medindo cerca de 6 a 8 mm de comprimento por 5 µm de largura. Reproduzem-se assexuadamente por brotamento (ou gemulação). Sendo a temperatura ótima de seu crescimento entre 20 e 30°C, com o pH entre 4,5 e 5,5.

Saccharomyces cerevisiae
Imagem da Saccharomyces cerevisiae obtida através de microscópio

Usos da Saccharomyces cerevisiae


Desde a Antiguidade, a S. cerevisiae vem sendo utilizada em processos fermentativos diversos, seja como fermento de pão ou como um fermentador de bebidas alcoólicas (como cerveja, vinho, vodka e etc).
Saccharomyces cerevisiae bayanus
Saccharomyces cerevisiae vendida comercialmente
A S. cerevisiae destaca-se como a espécie mais explorada comercialmente entre as leveduras e apresenta grande emprego na indústria, para fabricação de vários produtos. Pois em relação a outras leveduras, a S. cerevisiae apresenta fácil isolamento e manutenção, pouca exigência nutricional, bom crescimento em meios constituídos por resíduos industriais e, amplo uso em processos industriais (podendo ser usada na produção de bebidas alcoólicas, vitaminas, fermento de pão, Cosméticos, enzimas, macromoléculas e etc.).

Variantes da Saccharomyces cerevisiae


Segundo a literatura, a S. Cerevisiae pode ser classificada usando características morfológicas, com características fisiológicas e bioquímicas específicas para diferenciar tipos isolados com características morfológicas semelhantes.

Sendo que através desses critérios, há algo em torno de 18 espécies que constam na literatura. Porem, em estudos mais atuais, classificando a S. Cerevisiae através do estudo da homologia de seu DNA dividiu-se essas espécies em quatro tipos distintos: S. Cerevisiae, S. Bayanus (também conhecida como S. Uvarum), S. Pasteurianus (também conhecida como S. Carlsbergensis) e S. Paradoxus.


Possível Patogenicidade da Saccharomyces cerevisiae


A S. Cerevisiae não é considerada um microrganismo patogênico, mas raramente tem sido relatada como causa de infecções oportunistas. Nas quais todos os pacientes nos casos tinham doença subjacente.

A primeira descrição da S.cerevisae como agente patogênico ocorreu em 1958 por Reihersol e Hoel em isolados repetidos de escarro em paciente com broncopneumonia. A patogenicidade da S.cerevisae ainda não é totalmente conhecida, acredita-se que sua entrada no organismo seja predominantemente por via gastrointestinal, apesar de relatos de contaminação de cateteres através das mãos contaminadas.

Os fatores de riscos dessa patogenia são muito similares aos da candidemia (infecção da corrente sanguínea causada por leveduras do gênero Cândida), que tem fatores de risco como, uso de cateteres, nutrição parenteral, hemodiálise, uso de antibiótico de largo espectro, imunossupressão (HIV ou doenças neoplásicas) e transplantados.


Referências

  • http://hypescience.com/levedura-manipulada-pode-aumentar-producao-de-bioetanol/ (Acessado em 29/08/2013 as 23:54)
  • http://www.epa.gov/biotech_rule/pubs/fra/fra002.htm (Acessado em 29/08/2013 as 23:37)
  • http://www.infoescola.com/reino-fungi/levedura/ (Acessado em 29/08/2013 as 23:45)
  • Fermentação Saccharomyces cerevisiae em fermentador estático, Rosetânia Neves Da Conceição, UFT (Universidade Federal do Tocantins), GURUPI, 2012.
  • Infecção por Saccharomyces cerevisae – uma infecção atípica em UTI, Felipe Henriques Alves da Silva, Hospital Espanhol – Rio de Janeiro (RJ), Brasil, Fevereiro, 2011.
  • Leveduras de cerveja e cana-de açúcar (saccharomyces cerevisiae), autolisada e íntegra, na dieta de cães, Mariana dos Santos Martins, Jaboticabal, São Paulo, Brasil, 2009.
  • Fisiopatogenia, epidemiologia e diagnóstico laboratorial da candidemia, Muriel Padovani Giolo; Terezinha Inez Estivalet Svidzinski , Junho, 2010

Sobre o autor


Pedro Coelho Olá meu nome é Pedro Coelho, eu sou engenheiro químico, engenheiro de segurança no trabalho e técnico em informática, e em parte de minhas horas vagas me dedico a escrever artigos aqui no ENGQUIMICASANTOSSP, para ajudar estudantes de Engenharia Química e outros cursos. Se você acha legal esse projeto, siga-nos através de nossas paginas nas redes sociais e ajude-nos a divulgar essa ideia, compartilhando com seus amigos as nossas postagens.

Marcadores : bioquimica
2 Comentários de "Saccharomyces cerevisiae"

Como aumentar o ph em uma fementa cão de fermento

Olá anônimo

Um bom ph para o crescimento da Saccharomyces cerevisiae é algo em torno de 4. Eu não sei o que você está querendo fazer com essa mudança de pH, mas tenha cuidado pois pode prejudicar o crescimento da levedura

Os comentários são sempre bem vindos, pois agregam valor ao artigo. Porém, existem algumas regras na Política de Comentários, que devem ser seguidas para o seu comentário não ser excluído:
- Os comentários devem estar relacionados ao assunto do artigo.
- Jamais faça um comentário com linguagem ofensiva ou de baixo calão, que deprecie o artigo exposto ou que ofenda o autor ou algum leitor do blog.
- Não coloque links de sites ou blogs no corpo do texto do comentário. Para isso, assine com seu Nome/URL ou OpenID.
-Não coloque seu email e nem seu telefone no corpo do texto do comentário. Use o nosso formulário de contato.
- Se encontrar algum pequeno erro na postagem, por favor, seja bem declaro no comentário, pois a minha bola de cristal não é muito boa.
- Não seja tímido, se você tem alguma duvida ou sabe de algo mais sobre o assunto abordado no artigo, comente e compartilhe conosco :)

Back To Top