Processo de Produção de Estireno

Descoberto pelo farmacêutico alemão Johann Eduard Simon em 1839, que descobriu acidentalmente o estireno quando extraiu uma substância oleosa da árvore de estoraque e ao deixar a resina extraída em repouso por alguns dias, verificou que polimerizava.

O estireno é um hidrocarboneto aromático não saturado, monômero precursor do poliestireno, um importante material sintético rígido e transparente muito utilizado comercialmente.

Sua fórmula molecular é C8H8, tendo massa molecular igual a 104,15 g/mol. Tem aparência de líquido oleoso incolor de densidade 0,909 g/cm$^{3}$. Seu ponto de fusão é de 30°C negativos (243.15K) e de ebulição 145°C (418,15K). A solubilidade em água é abaixo de 1%.

formula quimica estireno
Formula química do estireno
A nomenclatura oficial utilizada pela IUPAC (International Union of Pure and Applied Chemistry) é estireno, no entanto podem-se encontrar outros sinônimos, tais quais: vinilbenzeno, estirol, etenilbenzeno, fenetileno, fenileteno.

Ao contrário do que pensam, o estireno também está presente em plantas, frutos, vegetais, nozes, bebidas e carnes, porém, sua concentração no estado natural é muito baixa.


Processo de obtenção do Estireno e Usos


Um dos processos mais utilizados para a obtenção de estireno é a desidrogenação catalítica do etilbenzeno em presença de vapor d'água. Os processos de desidrogenação são utilizados, em geral, na conversão de hidrocarbonetos saturados em compostos aromáticos (produtos de segunda geração) através de plantas com reatores em série do tipo leito catalítico que operam na faixa de 430-530ºC de temperatura e pressões que podem atingir 3,5 MPa.

Em geral, a desidrogenação é um processo endotérmico que necessita de alta temperatura para a obtenção de boas conversões. São restritos aos processos em que reagentes e produtos possuam estabilidade térmica.

No processo de desidrogenação do etilbenzeno tem-se como reação principal:

reaçao principal processo desidroneganação etilbenzeno


No entanto é possível ocorrer as reações:

reacoes secundarias processo desidroneganação etilbenzeno

A formação de coque é a reação mais indesejada, pois é a que mais prejudica no rendimento da reação e danifica o catalisador. Desta forma, o processo é conduzido em presença de excesso de vapor, que oxida os depósitos de carbono, supre o calor necessário à reação e desloca o equilíbrio químico, aumentando a produção de estireno.

Os catalisadores mais empregados, na desidrogenação do etilbenzeno com vapor d'água, são óxidos inorgânicos, em particular óxidos de ferro (hematita) contendo diversos promotores, entre os quais os principais são óxidos de potássio, de cromo e de cério.

A cadeia produtiva do estireno envolve o poliestireno expandido, a resina poliéster, a resina acrílica, o acrilonitrilo, as borrachas de estireno-butadieno (SBR) e o poliestireno.

Estes polímeros são usados na borracha artificial, em isolamentos, fibras de vidro, materiais para automóveis e embarcações, embalagens de alimentos, caixas de acondicionamento de eletrodomésticos, em peças para geladeiras, brinquedos, canetas, materiais descartáveis como copos, tintas a base de água, solas e saltos para sapatos, pneus etc.

As principais indústrias que produzem estireno a partir da desidrogenação do etilbenzeno no Brasil são: Cia Brasileira de Estireno – CBE, INNOVA e Estireno do Nordeste S/A – EDN.

Referências

  • Produção de estireno – A partir da desidrogenação isotérmica do etilbenzeno, Pedro H.C Mendes e Carolina Sobral, Unisanta, Santos , São Paulo, 2014.
  • https://www.tca.bci.tu-dortmund.de/de/.../93-tc30-styreneenglish (acessado dia 18/06/2014 as 20:35).
  • http://sistemasinter.cetesb.sp.gov.br/produtos/ficha_completa1.asp?consulta=ETILBENZENO (acessado dia 15/02/2014 as 19:35).
  • http://sistemasinter.cetesb.sp.gov.br/produtos/ficha_completa1.asp?consulta=ESTIRENO (acessado dia 15/02/2014 as 19:39).
  • https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/11138/10/Tese%20Alleyrand%20Sergio%20R%20Medeiros.pdf (acessado dia 18/06/2014 as 20:22)
  • MORRISON, R. T.; Boyd, R, N, Organic Chemistry Sixth Edition, Editora Pretince-Hall, Nova Delfia, 2002.

Autores do Texto


Esse texto foi escrito pela minha amiga Carolina Sobral e por mim, Pedro Coelho, que juntos, fizemos o trabalho de TCC sobre a Produção de Estireno - A partir da desidrogenação isotérmica do etilbenzeno, sendo que boa parte do texto acima faz parte da introdução do trabalho. Eu não tenho o trabalho em formato digital, e o trabalho em formato físico está na Universidade Santa Cecilia (UNISANTA).

Sobre o autor


Pedro Coelho Olá meu nome é Pedro Coelho, eu sou engenheiro químico, engenheiro de segurança do trabalho e Green Belt em Lean Six Sigma. Além disso, também sou técnico em informática, e em parte de minhas horas vagas me dedico a escrever artigos aqui no ENGQUIMICASANTOSSP, para ajudar estudantes de Engenharia Química e outros cursos. Se você acha legal esse projeto, siga-nos através de nossas paginas nas redes sociais e ajude-nos a divulgar essa ideia, compartilhando com seus amigos as nossas postagens.

0 Comentários de "Processo de Produção de Estireno"

Os comentários são sempre bem vindos, pois agregam valor ao artigo. Porém, existem algumas regras na Política de Comentários, que devem ser seguidas para o seu comentário não ser excluído:
- Os comentários devem estar relacionados ao assunto do artigo.
- Jamais faça um comentário com linguagem ofensiva ou de baixo calão, que deprecie o artigo exposto ou que ofenda o autor ou algum leitor do blog.
- Não coloque links de sites ou blogs no corpo do texto do comentário. Para isso, assine com seu Nome/URL ou OpenID.
-Não coloque seu email e nem seu telefone no corpo do texto do comentário. Use o nosso formulário de contato.
- Se encontrar algum pequeno erro na postagem, por favor, seja bem declaro no comentário, pois a minha bola de cristal não é muito boa.
- Não seja tímido, se você tem alguma duvida ou sabe de algo mais sobre o assunto abordado no artigo, comente e compartilhe conosco :)

Back To Top