Corrosão microbiológica (Microbiana)

A corrosão microbiológica (ou corrosão microbiana) é um tipo de corrosão causada por microorganismos (bactérias, fungos e algas) que atuam de maneira intensa nos processos corrosivos. Esses microorganismos estão em toda parte e podem ser encontrados em uma vasta gama de pHs, sendo que eles podem existir em temperaturas de -5°C até 110 °C , e são um dos maiores responsáveis pela corrosão em tubulações industriais enterradas.

Virola enlatado corrosão por célula oclusa
Virola de enlatado com corrosão por célula oclusa
A maioria desses microorganismos vive naturalmente na área metálica, aderidos a uma superfície de subtratos, que são gerados por série complexa de eventos sofridos pelas superfícies metálicas, tais como a excreção de exopolímeros pelos próprios microorganismos, que se ligam fortemente ao substrato, formando uma espécie de biofilme (também conhecido como biofouling), que torna favorável a proliferação desses microorganismos responsáveis pela corrosão.

Mecanismos de Biodeterioração


Existem vários tipos de microorganismos corrosivos, e dependendo do tipo, o mecanismo de corrosão é diferente, sendo que essa divisão feita abaixo é apenas didática, pois, na prática, pode ocorrer a presença de vários mecanismos de corrosão diferentes.

Corrosão por excreção de ácidos


Alguns tipos de bactérias do gênero “Thiobacillus“ são capazes de oxidar o enxofre e seus compostos em ácido sulfúrico a meio aeróbio. Este gênero de bactéria possui varias espécies que são capazes de crescer em meios de pH ligeiramente alcalinos até extremamente ácidos.

Normalmente, a ação corrosiva dessas bactérias se inicia com a proliferação de espécies em meios alcalinos. Após a acidificação do meio ao longo do tempo pelas próprias bactérias, outras espécies corrosivas mais acidofílicas, ou seja, que vivem em um ambiente muito ácido, tomam o controle do processo de corrosão.

Dentre essas bactérias acidofílicas, existe um grupo que é constituído de bactérias excretoras de ácido nítrico, que é dividido em dois subgrupos: um de bactérias conversoras de amônia para nitrito e outro, de bactérias conversoras de nitrito para nitrato. Tanto as bactérias Thiobacillus quanto as nitrificadoras são quimioautotróficas, ou seja, se alimentam apenas de compostos inorgânicos.

Corrosão pela formação de solventes orgânicos


Alguns tipos de microorganismos são capazes de metabolizar substancias orgânicas em condições anaeróbicas. Se um receptor de elétrons, tal como o nitrato, Fe3+,Mn4+ou sulfato, não estiver disponível, poderão ocorrer reações de fermentação.

Neste processo de metabolização, o hidrogênio é transferido entre diversos compostos orgânicos, que como resultado da fermentação, há formação de outros compostos, como o CO2, por exemplo. Tais compostos também podem ser ácidos ou solventes orgânicos, como o etanol, o propanol ou o butanol. Estes solventes podem reagir com os materiais do substrato natural ou sintético, causando a sua degradação.

Corrosão por outros compostos metabólicos


Um importante composto associado à corrosão microbiológica é o sulfeto de hidrogênio (H2S), o mesmo é produzido em condições anaeróbicas pela ação das bactérias redutoras de sulfato, sulfeto e enxofre livre. O sulfeto de hidrogênio pode ser utilizado pelos microorganismos de várias formas, podendo ser re-oxidado a ácido sulfúrico, em condições aeróbicas, ou, quando na presença de nitratos, formar sulfetos. O H2S também pode ser produzido em condição aeróbica através da decomposição de aminoácidos sulfurados.

A amônia é outro composto relevante para a corrosão microbiológica. Ela pode ser gerada pela degradação da uréia e aminoácidos. Largamente existente na atmosfera (sais de amônia com sulfato ou cloreto), é o meio adequado para as bactérias nitrificadoras.

Formação de biofilme


A formação de biofilme (também chamado de biofouling) pode causar o aparecimento de Corrosão por Célula Oclusa (CCO) e de problemas relacionados à eficiência de processo em equipamentos industriais, tais como o trocador de calor, onde após certo tempo de uso ocorre a formação do biofouling, que atrapalha na troca térmica.

Na indústria alimentícia, a formação do biofilme nas chapas para latas de conserva pode ser muito danosa, pois as chapas são normalmente revestidas com vernizes para proteger a lata contra os ácidos oriundos dos alimentos, e o biofilme impede a adesão do verniz no local que é afetado pela corrosão, com isso, consequente deterioração do alimento.

As latas amassadas ou com suas virolas corroídas são ambientes altamente propícios para a proliferação de microorganismos corrosivos. Nas virolas dos enlatados é comum ocorrer a CCO e a formação de ambientes anaeróbicos favoráveis para essas bactérias, sendo que com a progressão do processo de corrosão, ocorre o contato entre o meio bacteriano residente na célula de corrosão da virola e o alimento no interior do alimento.

Com isso, ocorre a contaminação do alimento, que ao ser consumido provoca graves infecções bacterianas, podendo levar a pessoa à morte. Por isso, nas indústrias alimentícias existe um rígido controle na produção de alimentos enlatados.


Caso especial - Corrosão in Vivo (Corpo Humano)


A corrosão in Vivo é basicamente a corrosão de um implante, que ocorre quando o mesmo é submetido aos fluidos celulares. Este tipo de corrosão ocorre geralmente após um trauma ou cirurgia, onde o pH do fluido no local pode ter uma diminuída temporária, com isso, o implante pode acabar sofrendo uma corrosão por erosão ou fadiga.

implante cabeça femur rompida
implante de cabeça de fêmur rompida

Medidas de prevenção contra a corrosão microbiológica)


Para se ter um bom controle contra a corrosão microbiológica, deve-se apresentar medidas com maior probabilidade de bom desempenho, sendo uma delas um bom monitoramento do sistema em questão, considerando-se:
  • Análise da água;
  • Analise bacteriológica do biofilme;
  • Uso de cupons que são retirados, periodicamente, para análise: como na análise são retirados os depósitos, usar diversos cupons;
  • Uso de técnicas eletroquímicas.
E adotar medidas gerais como:
  • A limpeza sistemática e a sanitização;
  • O emprego adequado de biocidas;
  • A aeração adequada do sistema;
  • O controle de variação de pH;
  • A análise dos revestimentos e da proteção catódica.

Referências

  • Livro de corrosão, Terceira edição, Vicente Gentil, Editora LTC (Livros Técnicos e Científicos Editora S.A), Rio de Janeiro, Brasil, 1996.
  • Corrosão: Fundamentos, Monitoração E Controle, Hermano Cezar Medaber Jambo e Sócrates Fofano, edição: 1ª , editora: Ciência Moderna, 2008

Sobre o autor


Pedro Coelho Olá meu nome é Pedro Coelho, eu sou engenheiro químico, engenheiro de segurança do trabalho e Green Belt em Lean Six Sigma. Além disso, também sou técnico em informática, e em parte de minhas horas vagas me dedico a escrever artigos aqui no ENGQUIMICASANTOSSP, para ajudar estudantes de Engenharia Química e outros cursos. Se você acha legal esse projeto, siga-nos através de nossas paginas nas redes sociais e ajude-nos a divulgar essa ideia, compartilhando com seus amigos as nossas postagens.

4 Comentários de "Corrosão microbiológica (Microbiana)"

Boa tarde, gostaria de saber sobre as reações químicas que ocorrem no processo de corrosão, em equação química, agradeço desde já!

Olá Anônimo

Isso varia muito do tipo de microorganismo, metal, e o meio ao qual o metal está exposto como vemos no texto acima, pois tem diversos microorganismos sendo que alguns apenas consomem o metal, e também tem outros que não consomem que é o caso das bactérias Thiobacillus que se alimentam de enxofre (S) e excretam ácido sulfúrico (H₂SO₄) na superfície metálica.

2S + 2H₂O + 3 0₂ → 2 H₂SO₄

Preciso analisar uma corrosão em inox para saber se e microbiologica ou não. Como faço essa análise

Olá Anônimo

Você reparou se tem a formação de algum biofilme(biofouling) na superfície metálica?

Pois esse tipo de corrosão é bem comum em área portuária, e tem diversas imagens no google imagens desse tipo de corrosão.

Os comentários são sempre bem vindos, pois agregam valor ao artigo. Porém, existem algumas regras na Política de Comentários, que devem ser seguidas para o seu comentário não ser excluído:
- Os comentários devem estar relacionados ao assunto do artigo.
- Jamais faça um comentário com linguagem ofensiva ou de baixo calão, que deprecie o artigo exposto ou que ofenda o autor ou algum leitor do blog.
- Não coloque links de sites ou blogs no corpo do texto do comentário. Para isso, assine com seu Nome/URL ou OpenID.
-Não coloque seu email e nem seu telefone no corpo do texto do comentário. Use o nosso formulário de contato.
- Se encontrar algum pequeno erro na postagem, por favor, seja bem declaro no comentário, pois a minha bola de cristal não é muito boa.
- Não seja tímido, se você tem alguma duvida ou sabe de algo mais sobre o assunto abordado no artigo, comente e compartilhe conosco :)

Back To Top